Tuesday, May 29, 2007

Terraço Itália

Se no Paris 6 você se sente jantando numa cidade cenográfica de quinta categoria, no Terraço Itália você tem certeza que ganhou o jantar como prêmio num programa de namoro do Celso Portiolli. O que não significa que o programa é ruim – jantar no Terraço Itália, não o programa do Celso Portiolli.

Sentir-se num encontro romântico num lugar tradicionalmente romântico com uma banda supostamente romântica é muito divertido. Você, os velhos e estrangeiros habitués, todos uns românticos em potencial. É engraçado sentir-se participando de um clichê.


Os casais dançando de rosto colado enquanto você come o couvert é uma vista tão ou mais interessante que a cidade de São Paulo lá embaixo. Quando a banda ataca de Frank Sinatra praticamente todo mundo abandona o risoto e corre pra pista. Emendam um Fábio Jr. e depois Luis Miguel, tudo com aquela classe dos ternos Colombo. E você se sente numa Nova York de pobre. A sofisticação do lugar cheira à naftalina. Mas é legal, garanto que é muito legal.


Devo admitir que aquela música, os casais apaixonados, os móveis, a vista, tudo me deu até uma vontade de ficar deprimida, pra ornar. Vontade de ir pro balcão do bar, ou melhor, american bar, e ficar tomando uísque girando o gelinho no copo, dar uma de o-lugar-é-perfeito-o-problema-é-que-eu-sou-infeliz. Um lugar tradicional e chic com pessoas felizes e um sujeito sozinho deprimido no balcão é o clichê perfeito. Mas eu só estava sentindo o cheiro da naftalina, do lugar e na roupa das pessoas, e achando tudo muito divertido.


A comida é boa, até que executam direitinho o cardápio que também é um outro clichê mas não chega a cheirar naftalina. No inverno costumam servir um buffet de sopas bem gostosinho e com preço bem mais em conta do que os cobrados no cardápio convencional.


E por último a vista, que é a principal atração do lugar. Vale mesmo a pena, a vista é milagrosa. Simplesmente milagrosa. Consegue deixar São Paulo bonita. Minimamente bonita, é verdade. Mas você deve pensar que é o melhor ângulo da cidade de São Paulo. É o único ângulo em que ela merece ser vista.


Pra terminar a noite, vá para o mirante do restaurante e imagine o cinegrafista do Celso Portiolli fechando em close você e seu par. Aí é só segurar as tacinhas com espumante e brindar daquele jeito tradicional, com as mãos entrelaçadas e um bebendo na taça do outro. Ao fundo a noite estrelada. Mais abaixo o charmoso Copam.

3 Comments:

Blogger tsilk said...

Li todos os post e o que mais gostei foi este sobre o Terraço Itália, pela descrição dos "personagens" e principalmente pela frase engraçadíssima "tá tudo lindo aqui, o problema é que sou infeliz" (ou algo assim, estou citando sem checar). Foi ótima essa!

Acho que o blog pode se tornar muito mais interessante se seguir esse caminho, ou seja, utilizar a ctítica gastronômica como plataforma para vôos criativos literários. Pra mim, quanto mais "digressões", melhor.

Comida ruim + muita imaginação é a receita ideal para boas risadas.

abraços!
Thomaz Silk.

7:24 AM, June 19, 2007  
Blogger Eduardo Carvalho said...

Estava relendo estes posts. Caras, vocês tem que voltar com este blog, era divertidíssimo! Acho que vou citar umas passagens de novo no meu blog. Abçs - Edu

8:47 AM, December 10, 2008  
Blogger Sílvia Yama said...

Muito espirituoso o post!
O Terraço Itália tem essa fama de cheirar à Naftalina mesmo... Mas, vai! Isso tem seu charme! Recomendo aos amigos que querem pedir às namoradas em casamento!
Em NY, não se pede em casamento no Empire State? Pq não no Terraço?!
Aquela vista é milagrosa mesmo, não?!
Quanto à banda, é cruel: Tocou Sinatra, Bublé ou Carpenters, todo mundo deixa suas torradinhas e corre pra pista! Rs!

10:19 PM, July 09, 2009  

Post a Comment

<< Home